※ O Espirro


Sentou-se num banco e fitou longamente o nada. Queria que os seus olhos disessem alguma coisa, mas eles estavam tão secos que eram incapazes de demonstrar dor, sequer vida. Sentiu-se como uma enorme pedra no meio das outras daquele bosque. Respirou fundo. Até que era melhor assim mesmo, pelo menos ela assumiria o seu próprio controle, poria sua cabeça no comando (coisa que ela mal sabia fazer.. tanto tempo!). Com os olhos baixos, pôs-se a conversar com o seu coração, agora em tom solene: deveria dar-lhe o último adeus. Pois bem quando seu coração já batia apenas o necessário, que lhe surgiu umas borboletas bem no estômago. As idéias foram se esvaindo, tudo uma coisa confusa, as borboletas foram subindo, subindo.. Se controlou. Precisava provar pra ela que era mais forte do que ela mesma; voltou à despedida. Num pulo, o coração fez voar as borboletas novamente: agora elas voavam na sua cabeça, na palma de sua mão, nos cachos do seu cabelo. Foi um não-sei-o-quê que veio subindo, subindo, subindo.. Espirrou. Viu todo o passado flutuar no ar, viu as borboletas levarem-no pra longe. Mais tarde, por força de não sei que vida, olhou pra dentro de si e viu-se vazia. E assim seguiu dali em frente, arrependida de não ter voado com as borboletas enquanto era tempo. Na mesa de jantar, era uma sombra.
— Mãe, um espirro pode tirar pedaços da gente?
— Não sê boba, menina, é só um espirro.
Blogger Rodrigo Sérvulo

Que lindo!

Mesmo! Adorei este texto! Tão romântico, tão expressivo.

Parabéns e agora lerei os outros!

Rod

(Prazeres Amélie Poulain)

18 de setembro de 2007 21:16  
Anonymous _thalita

um suspiro pode tirar um pedaço da gente.
um olhar pode tirar uma vida toda, quiça.
mas que bobeira, é só um pedaço...é só uma vida.

18 de setembro de 2007 23:00  
Anonymous Juliana

Bela história...adorei.
Quanto ao seu comentário sobre o trecho de Alice no País das Maravilhas q vc postou no meu blog, divido essa raiva com vc. Imagine se este desenho fosse editado e mostrado na sua essência surrealista? Seria o paraíso.
Coloquei seu blog nos meus favoritos.Gostei!
Bjs

www.utopiasurreal.zip.net

JU

19 de setembro de 2007 14:46  
Blogger Arthur Araújo

Cuida do jardim e as borboletas voltarão...

Bonito texto!!

=D

22 de setembro de 2007 02:09  
Blogger Mayara

as borboletas voltam...parece até aquele filme "sobre o sol da toscana" que ela fala que e só não correr muito atrás que elas vem...são lindas não?!

mais se acalme menina...todo mundo tem dias ruins...o meu passou e o teu tmb vai passar!

=D

23 de setembro de 2007 01:59  
Blogger Fê Probst

Um espirro, uma lágrima.
Se não nos prendermos dentro de nós mesmos, vamos embora junto.

24 de setembro de 2007 10:40  
Blogger Juliana

acaba sempre ficando,
nem que seja um pó[das borboletas]

mas vc sabe, qndo vc se perder,
vc encontra.
lembra que comentou lá no Dedin de Prosa que ainda olhava pra trás?
pois é, eu também.
o final do meu post foi só uma mentira para a tola aqui fingir acreditar.
;]

29 de setembro de 2007 02:18  

Postar um comentário

<< Home